Maçã Fita MétricaOs transtornos alimentares são graves distúrbios no comportamento alimentar. Há dois extremos: uma grande redução na quantidade de alimentos ingeridos ou um excesso. Os principais tipos de transtornos são a anorexia, a bulimia, e a compulsão alimentar.

Segundo pesquisas, a anorexia e a bulimia atingem muito mais as mulheres do que os homens, por uma preocupação extrema com o corpo. Há uma distorção da própria imagem ao ponto de se sentirem gordos, quando na verdade estão abaixo do peso.

Anorexia

A busca pela magreza é incontrolável, não há uma preocupação em manter o peso ideal e a alimentação saudável. O que importa é perder peso, seja como for, e algumas pessoas simplesmente deixam de comer, pois o medo de ganhar peso é ainda maior. Alguns optam pelo vômito induzido, outros pelos laxantes e diuréticos. A anorexia muda não só o comportamento alimentar, como o comportamento diante da vida, a insatisfação, irritabilidade, tristeza, insônia, complexos, são alguns dos sintomas constantes.

Bulimia

Na bulimia há um descontrole mental, a pessoa come grandes quantidades de alimentos em um curto espaço de tempo, mas depois fica com um peso na consciência. Após comer, a culpa vem à tona, a pessoa manifesta reações comportamentais que tentam diminuir essa auto-acusação, e à leva a ter atitudes que diminuam essa culpa, como o vômito induzido, os laxantes e diuréticos.

Compulsão alimentar

Diferente da bulimia, os comedores compulsivos podem até sentir culpa por não conseguirem parar de comer, mas não possuem comportamentos para eliminar essa culpa. Pessoas que tem esse transtorno passam por crises, nas quais não consegue parar de comer, comem o dia inteiro, escondidos ou às pressas. Se sentem envergonhados pela sua falta de controle, sofrem de grandes depressões e não conseguem seguir uma dieta.

Comem mesmo sem sentir fome, de maneira rápida, descontroladamente, até se sentirem “empanturrados”.

O transtorno alimentar é gerado, ou gera, o transtorno psicológico, e causa grandes complicações na saúde. O tipo de tratamento indicado depende de cada caso, há pessoas que ficam subnutridas, sendo preciso interná-las para estabilizar o quadro e ganhar peso. Os tratamentos são feitos à base de medicamentos, orientação nutricional, psicoterapia, farmacologia e algumas formas da medicina alternativa.

Para quem está em fase de recuperação, uma alimentação bem balanceada é essencial, pois é preciso fazer uma reeducação alimentar. Um corpo debilitado precisa de muitos nutrientes para recuperar energia, e voltar a ter o equilíbrio.

Por isso é importante cuidar da alimentação desde a infância, e explicar qual a importância, pois os padrões que a sociedade e a mídia impõe podem ser o ponto de partida para os transtornos alimentares.