Dietas e Profissionais

Medidas MulherProvavelmente, você deve ter a nítida sensação de que a palavra dieta se refere apenas às minúsculas refeições com alface. Entretanto, a correta definição para esse termo está relacionada com o que uma pessoa come no decorrer do dia. Ou seja, a longo prazo, dietas que pretendem promover a perda de peso e acabam limitando o cardápio à pouquíssimas porções, ou que simplesmente excluem alguns alimentos, podem não ser mais eficientes.

O que pode acontecer, nesses casos, é você acabar sentindo falta de algumas comidas e, logo em seguida, encontrar grandes dificuldades em continuar seguindo a dieta por mais tempo. Uma solução que geralmente funciona para essas situações seria efetuar mudanças nas quantidades e nos tipos de alimentos, gradualmente. Contudo, essas modificações devem permanecer para o resto da vida.

A melhor entre as dietas, a ideal, por assim dizer, é aquela que dá prioridade aos seus gostos e inclui uma ampla variedade de alimentos com calorias e nutrientes suficientes para manter sua saúde em melhor estado.

Os principais quesitos que determinam o quanto você pesa é o quanto e o que você come. Logo, quando você for planejar a sua dieta, deve levar em consideração os seguintes questionamentos:

  • Qual nível de calorias é o mais apropriado?
  • Ela é nutricionalmente balanceada?
  • Será prática e fácil de ser seguida?
  • O plano de alimentação será mantido pelo resto da vida?

Regular a dieta pelo nível de calorias encontradas no alimento:

Geralmente, a maior parte das dietas delimitam um nível de 1.000 a 1.500 calorias consumidas por dia. Contudo, essa quantidade pode variar de acordo com o seu peso e a frequência de atividade física que você pratica. Para isso, sempre procure pedir a orientação de um nutricionista ou endocrinologista. Mas, algumas pessoas ainda não sabem a diferença entre esses dois profissionais.

O profissional ideal vai depender da suas condições e finalidades. Cada qual vai atuar em uma determinada dificuldade da pessoa. O nutricionista agirá na reeducação alimentar do paciente, ajudando-o a enfrentar alguns vícios de alimentação. Já o endocrinologista tem o propósito de investigar e identificar se a pessoa tem algum problema hormonal que a impede de perder peso. Ele também pode diagnosticar doenças como a obesidade, diabetes e colesterol alto, prescrevendo remédios redutores de apetite e reguladores, quando necessário.

Ou seja, cada pessoa possui suas particularidades: algumas precisam apenas de um replanejamento de suas refeições, outras precisam de um acompanhamento médico especializado para identificar algum possível transtorno no organismo. Outros profissionais que podem auxiliar, oferecendo estímulo ao paciente, são os psicólogos, psiquiatras e educadores físicos.

Existem alguns programas de emagrecimento clínicos e não clínicos, esses encontrados principalmente em livros de dieta “faça você mesmo”. Eles, geralmente, incluem planos de dietas de baixas calorias.

É importante salientar que o nível calórico de sua dieta deve estar de acordo com uma perda de peso abaixo de 450 gramas por semana. Isso é gradativo, isto é, depois da primeira ou segunda semana, a queima de calorias passa a ser mais rápida. Quando se pretende regular a quantidade de calorias ingeridas por dia, para se elaborar um plano de dieta, uma tabela de caloria dos alimentos poderá te auxiliar.

Existem diversos tipos de dieta, de acordo com alguns fatores. São elas: dieta de menu fixo, de modelo de trocas, de refeição pré-embalada, líquida, questionáveis e flexíveis.

  • A de menu fixo, em que são listados todos os alimentos que você deverá comer, pode ser a mais fácil de ser seguida, já que seus itens são escolhidos por você. Porém, por não se tratar de um método com seletividade de alimentos necessários para o organismo, ela pode não oferecer sucesso.
  • A de modelo de trocas é baseada em um planejamento de refeições, em que se determina um número de porções de cada um dos vários grupos alimentícios. Sua principal vantagem está relacionada à seletividade de alimentos, o que é essencialmente necessário para emagrecer.
  • A de refeições pré-embaladas requer que você compre refeições que já se apresentam pré-embaladas nos mercados, ou seja, com uma quantidade específica e adequada à sua alimentação. A vantagem é que elas podem te ajudar a compreender o tamanho apropriado das porções a serem ingeridas. Contudo, elas podem ser caras para o seu orçamento. Nesse programa, deve-se verificar se elas te ensinarão também, a selecionar e preparar a comida. Essas habilidades são fundamentais para a perda de peso e sua manutenção.
  • As dietas líquidas são aquelas em que se substitui uma ou mais refeições por uma fórmula líquida previamente elaborada. Elas geralmente são balanceadas, contendo uma quantidade específica de proteínas e carboidratos, além de conter pouco sal. Elas são vendidas prontas para o consumo ou em pó, para ser preparado com o líquido. São fáceis de preparar e promovem a redução de peso em curto prazo; porém, o peso pode ser recuperado à medida que se abandona a fórmula. Elas também não ensinam seus adeptos a selecionar alimentos saudáveis. Isso pode ser um aspecto desfavorável no processo.
  • As dietas flexíveis são programas que sugerem controlar somente a gordura, as calorias, ou os dois fatores. O indivíduo passa a selecionar a quantidade e o tipo de alimentos ingeridos. Além de ensinar as pessoas a ter um monitoramento maior do que se come, esse método funciona com a maioria delas. O aspecto negativo está relacionado a, por exemplo, monitorar a gordura e permitir a ingestão, para compensar, de uma quantidade excessiva de açúcares.

É importantíssimo, ao escolher a sua dieta saudável, seguir a orientação de um nutricionista e mantê-la para o resto da vida, para que haja manutenção do peso. Combine a dieta a uma atividade física regular; isso também ajuda a evitar a recuperação do peso perdido.